Tag Archives: Virginia

Sem Michelle mas muito wild

23 Apr

O ténis feminino, em Portugal, tem registado um acentuado crescimento nos últimos anos. Apesar de ainda estar longe de ter o destaque oferecido ao ténis masculino, esta categoria desportiva move numerosos seguidores hoje em dia e, em consequência disso mesmo, muito dinheiro. A sua evolução deve-se ao melhoramento de fatores como a preparação dos eventos, recursos disponíveis, aumento do número de adeptos e um maior alcance e divulgação por parte dos torneios femininos.

O planeamento das competições protagonizadas pelas mulheres é realizado pela WTA. Esta organização é quem estabelece regras internacionalmente e, como não poderia deixar de ser, também tem grande influência em Portugal. A sua influência verifica-se, em grande parte, na instituição de calendários de torneios, regras de procedimento básicas e abordagem de tudo o que se refere ao circuito profissional.

Maria João Koehler e Michelle Larcher de Brito são as duas tenistas portuguesas que mais se destacam no panorama internacional. Koehler tem 18 anos e é treinada por Nuno Marques, um ex-tenista português. A tenista participou pela primeira vez no Estoril Open em 2009 e saiu vencida por 7-6 (4) e 6-0 ao defrontar a alemã Kristina Barrois. No ano passado, a portuguesa também foi derrotada na primeira ronda, mas desta vez pela holandesa Arantxa Rus.

Michelle Larcher de Brito, também de 18 anos, é treinada pelo seu próprio pai, António Larcher de Brito. A jovem foi a primeira jogadora de ténis portuguesa a passar para além das duas rondas numa competição do circuito WTA e a excluir uma tenista do top 20 do ranking mundial. Contudo, Michelle não irá participar no Estoril Open. Os motivos desta decisão são ainda desconhecidos. Especula-se que a portuguesa não se demonstrou interessada em participar por se encontrar inscrita em dois torneios de 50 mil dólares em Alabama e na Virgínia, que coincidem com a data da competição nacional.

Sendo Maria João Koehler a única representante feminina de Portugal no Estoril Open, as expectativas para a sua terceira participação consecutiva no torneio são elevadas. Ao usufruir do WIld Card que lhe foi atribuído, espera-se que Koehler obtenha bons resultados pela qualidade e carácter com que tem encarado o seu percurso profissional e pelas consequências positivas que têm resultado das suas exibições prometedoras.

Segundo a portuguesa vencer o Estoril Open é um sonho. A segunda melhor tenista do ranking nacional tenciona repetir as excelentes prestações que teve no Cantanhede Torneio Satélite e Amarante Torneio Satélite, para este ano conseguir ultrapassar a fase de qualificação da competição. Com possibilidade de enfrentar incríveis e vitoriosas opositoras como Anastasija Sevastova, Greta Arn e Zheng Jie.

Mas não só destas duas jogadoras que vive o ténis feminino em Portugal, também Magali de Lattre e Bárbara Luz irão figurar no quadro principal do torneio, uma vez que receberam wild cards de última hora. Uma excelente notícia para a variante feminina, que assim consegue no mínimo duas presenças ao mais alto nível no Estoril, lote que ainda pode aumentar caso Ana Claro, Margarida Moura, Patrícia Martins ou Rita Vilaça vençam os encontros que irão disputar no qualifying, acompanhando assim as atletas que receberam os convites da organização.

+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico+++

Advertisements

E os Pulitzer vão para…

18 Apr

Joseph Pulitzer nasceu numa família húngara de origem judaica e cedo se iniciou na cena jornalística. Já nos Estados Unidos, em 1872, com apenas 25 anos, Pulitzer tornou-se editor. Desenvolveu um trabalho de jornalismo rigoroso, que denunciou por diversas vezes a corrupção política. Foi um dos pioneiros do new journalism americano e chegou a ser acusado de sensacionalismo nas publicações de que foi proprietário.

A primeira escola de jornalismo dos Estados Unidos foi fundada em setembro de 1912, através do legado intelectual e financeiro que Pulitzer ofertou à Universidade de Columbia. Pulitzer morreu nesse ano e, em 1917, os primeiros prémios Pulitzer foram atribuídos pela Universidade.

Os Pulitzer são a maior consagração no campo do jornalismo e cedo começaram a abranger a literatura, o drama e a música. Hoje, foram anunciados os vencedores de 2011.

Jornalismo

Serviço Público – Los Angeles Times

Reportagem de Última Hora – sem prémio

Reportagem de Investigação – Paige St. John do Sarasota Herald-Tribune

Reportagem Explicativa – Mark Johnson, Kathleen, Gallagher, Gary Porter, Lou SaldivarAlison Sherwood do Milwaukee Journal Sentinel

Reportagem Local – Frank Main, Mark KonkolJohn J. Kim do Chicago Sun-Times

Reportagem Nacional – Jesse Eisinger Jake Bernstein do ProPublica

Reportagem Internacional – Clifford J. LevyEllen Barry do The New York Times

Artigo de Fundo – Amy Ellis Nutt do The Star-Ledger, Newark

Comentário – David Leonhardt do The New York Times

Crítica – Sebastian Smee do The Boston Globe

Editorial Escrito – Joseph Rago do The Wall Street Journal

Cartoonismo Editorial – Mike Keefe do The Denver Post

Fotografia de Última Hora – Carol Guzy, Nikki KahnRicky Carioti do The Washington Post

Fotografia de Fundo – Barbara Davidson do The Los Angeles Times

Literatura, Teatro e Música

Ficção – “A Visit from the Goon Squad” de Jennifer Egan

Drama – “Clybourne Park” de Bruce Norris

História – “The Fiery Trial: Abraham Lincoln and American Slavery” de Eric Foner

Biografia – “Washington: A Life” de Ron Chernow

Poesia – “The Best of It: New and Selected Poems” de Kay Ryan

Não-Ficção Geral – “The Emperor of All Maladies: A Biography of Cancer” de Siddhartha Mukherjee

Música – “Madame White Snake’” de Zhou Long


+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.+++