Tag Archives: 8 de março

Sofia Carvalho

8 Mar

Sofia Carvalho nasceu, curiosamente, no dia da mulher, a oito de março de 1970. Sempre sonhou fazer Marketing, mas a sua mãe achava que com esse curso ela só iria «vender tecidos de porta em porta». Para agradar aos pais fez três anos de Relações Internacionais, abandonando o curso para entrar em Marketing, onde fez outros três anos. Apesar de não ter finalizado nenhum dos cursos, considera a experiência gratificante, pois ambos tratavam matérias interessantes «e se o saber não ocupa lugar, why not?», disse a directora, em entrevista ao 5 para a meia-noite, no dia dois de fevereiro deste ano.

Aos 17 anos de idade, um amigo inscreve-a numa agência publicitária, onde acabou por ser contratada para alguns trabalhos. Mais tarde, outro amigo falou-lhe dum casting para locução de continuidade na TVI. Sem saber muito bem ao que ia, arriscou e acabou por ser selecionada, ficando a trabalhar na estação televisiva privada.

Um dia, Artur Albarran falou-lhe de uma reunião sobre um projeto da TVI na área do jornalismo. Daqui surge o Novo Jornal, onde Artur Albarran, Sofia Carvalho e Bárbara Guimarães se juntavam para apresentar as notícias. A determinada altura, recebe uma proposta para fazer um anúncio televisivo, aproveitando esta oportunidade para sair da TVI.

Anos mais tarde, quando já julgava estar esquecida, surge o convite para ser diretora do canal temático SIC Mulher, lançado a oito de março de 2003, «dedicado à mulher determinada, conhecedora, sensível, atraente (…) a construção de algo apelativo para estas mulheres, que existem e merecem um espaço.» Querido Mudei a Casa, o programa que é agora co-apresentado por Gustavo Santos, foi apresentado assim que surgiu o canal. Na altura, a escassez de recursos produtivos não permitiram encontrar uma apresentadora para o programa poder ser realizado, o que levou Sofia a adoptar este novo desafio e concretizar mais um projeto, tornando-se ela própria a imagem do programa.

Afirmando-se dona de um sexto sentido tipicamente feminino, acredita que a sua regra de vida é viver um dia de cada vez, tirando sempre o lado positivo das coisas «não acreditar é não viver». Sofia Carvalho acreditou e hoje, no dia em que completa 41 anos, é uma das fortes marcas do empreendorismo português.

Oito de março, oito mulheres

+++Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.+++

Advertisements

"A única pressão que sinto é a minha"

8 Mar

Telma Monteiro foi a personalidade do mundo do desporto que o Clique decidiu distinguir. Hoje, dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, destacamos o seu testemunho.

Numa breve entrevista ao Clique, Telma fala-nos um pouco de tudo. Das convicções e emoções que lhe advêm da sua carreira desportiva, do que lhe representa este dia e dos obstáculos que ainda tem para deitar ao tapete no presente ano.

O que a levou a escolher o Judo como desporto de eleição?

A primeira vez que experimentei fazer judo tinha 12 anos, mas na altura estava mais interessada em jogar futebol. Mais tarde por incentivo da minha irmã que entretanto também praticava, decidi voltar e já não quis sair.

Quais os momentos que mais a marcaram enquanto judoca?

Felizmente foram vários. Tenho ganho muitas medalhas em Europeus e Mundiais e todas são importantes, porque todas juntas representam o meu percurso do qual me orgulho muito.

Que significado tem para si participar em eventos, como o I Encontro Mulher e o Judo, que promovem o desporto que pratica e que valorizam a importância da, cada vez maior, afirmação das mulheres nesse mesmo desporto?

É importante incentivar as mulheres a praticar desporto, normalmente as mulheres são de uma forma geral quem “cuida da família”. Eventos como esse servem, não só para incentivar as mulheres a fazer desporto, mas este em particular serve sobretudo para divulgar o judo feminino e trazer mais mulheres para esta modalidade.

Como figura pública e referência nacional, tem consciência que é considerada um exemplo para muitas mulheres portuguesas?

Tenho consciência que isso pode acontecer, penso que com a minha atitude e maneira de estar transmitida através do desporto posso ser uma referência para muitas mulheres.

Sempre que participa numa competição sente uma pressão e responsabilidade acrescidas por ser a atual  número 2 no Ranking Mundial da sua categoria (-57kg)?

Não, a única pressão que sinto é a minha, a de querer ser melhor, de querer ser a melhor, sempre fui assim, independentemente da minha posição do ranking. Penso que é essa maneira de estar que me ajuda a estar no topo.

Para o presente ano, quais são as principais metas que pretende atingir?

Este ano tenho o Campeonato da Europa em abril , em Istambul, gostava de ser Campeã da Europa, depois tenho ainda dois Grand Slam, um em Moscovo e outro no Rio de Janeiro. Em agosto  tenho o Campeonato do Mundo, o meu objetivo  é sempre ganhar as provas em que entro, nem sempre é possível, mas são as minhas metas a atingir este ano.

+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.+++