Archive | Uncategorized RSS feed for this section

Hello world!

11 Jun

Welcome to WordPress.com. After you read this, you should delete and write your own post, with a new title above. Or hit Add New on the left (of the admin dashboard) to start a fresh post.

Here are some suggestions for your first post.

  1. You can find new ideas for what to blog about by reading the Daily Post.
  2. Add PressThis to your browser. It creates a new blog post for you about any interesting  page you read on the web.
  3. Make some changes to this page, and then hit preview on the right. You can alway preview any post or edit you before you share it to the world.
Advertisements

Máscaras Ibéricas no Rossio

28 Apr

«Uma feliz combinação de cultura, artesanato, animação e gastronomia», é assim que é caracterizado o Festival Internacional da Máscara IbéricaFIMI – que se apresenta ao público português entre os próximos dias 28 de abril e 1 de maio no Rossio, em Lisboa.

Organizado pela Progestur (Associação para a promoção, gestão e desenvolvimento do turismo cultural português) em parceria com a Egeac (Empresa de gestão de equipamentos e animação cultural de Lisboa) e com o apoio da ATL (Associação de Turismo de Lisboa) e da Câmara Municipal de Lisboa, a sexta edição do FIMI englobará actividades variadas, entre as quais workshops, provas gastronómicas de produtos regionais, espetáculos de palco com música tradicional e moderna, arruadas, jogos tradicionais e um concurso de fotografia.

Durante quatro dias, as máscaras ibéricas irão colorir e fazer da animação a palavra de ordem na praça D. Pedro V.

Para dia 30 de abril, sábado, está marcado o ponto alto do certame ibérico, com o Grande Desfile da Máscara Ibérica, prevendo-se a participação de grupos de múltiplas regiões europeias, num total de 450 participantes.

No programa está ainda evidenciado o caráter além-fronteiras do evento, havendo dois dias temáticos dedicados às máscaras e à cultura de duas localidades espanholas: Zamora (dia 29) e Cantábria (dia 30), estando destacadas jornadas gastronómicas no Hotel Tivoli. A confeção dos menus estará a cargo dos chefs Mónica Fernández e Joseba Guijarro enquanto Nacho Manzano, distinguido com duas estrelas Michelin, estará encarregue da degustação de produtos do Principado das Astúrias.

O Festival das Máscaras Ibéricas estará patente um pouco por toda a cidade lisboeta, com animação musical constante, exposições com artesãos a trabalharem ao vivo. Paralelamente, nos Armazéns do Chiado decorrerá uma Mostra da Província de Cáceres, apresentada pelo Patronato de Turismo, Artesanía y Cultura Tradicional.

Ganhando o estatuto de festival em 2010, o FIMI acontece pela primeira vez fora da programação das Festas de Lisboa, mostrando assim a independência e êxito da iniciativa que é já considerada a maior atividade dedicada à apresentação das tradições pagãs das máscaras de origem ibérica.

+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.+++

Coimbra apresenta exposição surrealista

27 Apr

O artista plástico conimbricense, Santiago Ribeiro, e a artista vietnamita, Vu Huyen Thuong, inauguram na próxima quinta-feira uma exposição conjunta intitulada Surrealismo Português e Surrealismo Vietnamita que ficará patente na Galeria do Recordatório da Rainha Santa Isabel, na Rua António Augusto Gonçalves, em Santa Clara, Coimbra, até 30 de maio.

Esta exposição irá apresentar duas dezenas de trabalhos dos dois artistas plásticos. Os quadros do pintor integram também a exposição itinerante Pinturas Surrealistas.

Santiago Ribeiro já havia selecionado Vu Huyen Thuong, em 2010, para a Internacional Surrealismo Now, classificando a sua obra como “diferente”, integrando traços da cultura asiática e do seu país, o Vietname.

Vu Huyen Thuong tem apenas 28 anos e já realizou várias exposições fora das fronteiras vietnamitas, nomeadamente na Coreia do Sul e em Portugal.

A exposição, que será inaugurada às 16 horas, conta com a presença dos artistas responsáveis pela mesma e de inúmeros convidados. Este evento possibilita o confronto entre dois pintores com estéticas marcadamente distintas.

A apresentação destas pinturas surrealistas marca a abertura do Recordatório da Rainha Santa Isabel, aguardando a visita de entendidos, apreciadores da arte surrealista ou somente meros curiosos.

+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.+++

Honoris Causa a José Veiga Simão

25 Apr

O principal defensor da democratização do ensino durante o período do Estado Novo, José Veiga Simão, será distinguido com o doutoramento Honoris Causa em cerimónia solene no Grande Auditório do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, no próximo dia 27 de abril.

A condecoração, a ser atribuída pelo Reitor, Luís Antero Reto, tem como objetivo reconhecer o papel primordial que Veiga Simão desempenhou na reforma do Ensino Superior nos anos 70. 

Entre as suas ações mais marcantes está a criação da Universidade de Aveiro em 1973, fundada num contexto de expansão e renovação do ensino superior português.

Professor universitário e atualmente Reitor da Universidade de Lourenço Marques (presentemente denominada Universidade de Eduardo Mondlane), José Veiga Simão já recebeu vários reconhecimentos públicos e títulos honoríficos, entre os quais o grau de Doutor Honoris Causa pela Universidade de Joanesburgo e a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.

Com um papel indubitavelmente importante durante os longos anos de Estado Novo, o ex-ministro tem mostrado o seu desagrado com algumas medidas tomadas por Mariano Gago, defendendo a revitalização e uma estratégia diferente para as universidades portuguesas.

A condecoração, a acontecer no próximo dia 27 pelas 17h30, irá decorrer em simultâneo com a distinção de André Jordan, empresário das áreas do turismo, imobiliário e media.

Maria de Lurdes Rodrigues, ex-ministra da Educação e docente no ISCTE-IUL, será a madrinha de doutoramento Honoris Causa a José Veiga Simão e, tal como o homenageado, irá fazer uma breve intervenção.

+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico+++

Londres festeja 85 anos de Isabel II

22 Apr

A rainha Isabel II celebrou ontem 85 anos, ficando apenas a um ano de distância do jubileu de diamante, um marco celebrado apenas pela rainha Vitória em 1897.

Pela primeira vez a coincidir com as cerimónias da quinta-feira santa, a atual monarca, nascida a 21 de abril de 1926, ultrapassou já a trisavó em termos de longevidade. Terá, no entanto, de se manter em funções até setembro de 2015 para suplantar o recorde do reinado mais longo.

Para marcar o dia, Isabel II participou no anual serviço religioso, desta vez na missa de Páscoa na Abadia de Westminster – num ato que serviu de ensaio para o evento da semana que se avizinha, o casamento real do príncipe William e de Kate Middleton – e fez a habitual entrega de moedas de prata a 85 homens e 85 mulheres aposentados, seguindo a tradição que determina que seja distribuído dinheiro, sendo este o símbolo do amor aos outros, como pediu Jesus Cristo na Última Ceia.

Com todas as atenções centradas na família real, o aniversário da rainha acabou por ter um maior impacto, transformando-se num grande evento para a sociedade. No mesmo dia em que o seu filho, o príncipe Carlos, alcança o recorde de herdeiro que está há mais tempo à espera da ascensão ao trono, Isabel II viu-se ainda brindada com a entoação da canção parabéns a você por parte de alguns súbditos.

O aniversário da rainha é tradicionalmente celebrado duas vezes durante ao ano: de forma mais reservada no verdadeiro dia do seu nascimento, 21 de abril, e oficialmente em junho, aquando dos dias mais solarengos, com o célebre desfile militar Trooping the Colour, perto do Palácio de Buckingham.

Ontem foi ainda possível ver a bandeira inglesa em todos os edifícios de Londres em jeito de comemoração e, em homenagem à soberana, foram disparados 41 tiros de canhão no Hyde Park e outros 62 na London Tower. God Save The Queen!

+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.+++

Golfo do México: um ano e tanto por fazer

21 Apr

«Precisamos que a BP acabe de limpar a costa, que cumpra as promessas de deixar aqui um bom equipamento caso o crude surja à superfície, que estabilize as zonas de pesca e a linha de costa que tanto se deterioraram; precisamos que ajude no restabelecimento dos afetados». Pelas palavras de Billy Nungesser – que preside uma comunidade de pescadores no estado do Louisiana – ao El País, muito há para fazer passado um ano do derrame de crude no Golfo do México.

A 20 de abril de 2010, a plataforma Deepwater Horizon, pertencente à empresa Transocean mas explorada pela britânica BP, sofreu uma explosão que provocou a morte a 11 trabalhadores e feriu vários. A plataforma petrolífera explorava a 7 quilómetros de profundidade, e devido à explosão, houve uma rutura a 1500 metros. A fuga só seria reparada em julho: em 87 dias, foram libertados 760 milhões de litros de crude, estimados pelo El País.

A poluição afetou não só a flora e fauna marinhas, mas também os pescadores, os criadores de ostras e as atividades turísticas da região. O presidente Obama proibiu, até outubro, novas explorações petrolíferas, o que teve grande impacto no emprego regional. A verdadeira extensão do acidente permanece incógnita para muitos; agora, a maioria das praias está aberta ao público, embora haja ainda uma zona de 2500 quilómetros quadrados que está interdita e a atividade piscatória não esteja recuperada.

No Golfo do México, existem 3500 plataformas petrolíferas – e esta fuga de crude ocorreu a 64 quilómetros da costa do Louisiana. Ao todo e segundo a TSF, a BP terá gasto cerca de 40 mil milhões de dólares, entre indemnizações e controlo de danos. O anterior diretor executivo, Tony Hawyard, foi substituído por Robert Dudley, que num artigo de opinião editado no Wall Street Journal reconhece: «A BP está a mudar. Estamos comprometidos a trabalhar juntos com os nossos colegas de indústria e reguladores governamentais para assegurar uma energia do futuro mais segura e forteObama, neste aniversário, também reforçou a intenção de recuperar a costa do Golfo. Porém, é impossível saber quando é que se poderá afirmar uma vitória perante este desastre ambiental.

+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.+++

Muçulmanos ao Norte e Cristãos ao Sul

20 Apr

Goodluck Jonathan venceu as eleições presidenciais na Nigéria à primeira volta, no passado domingo, 17. 22 milhões de votos contra 12 milhões para Muhammad Buhari foi o resultado que o líder cristão nigeriano conseguiu no país mais populoso de África.

Apesar de os especialistas dizerem que estas foram as eleições mais justas de sempre na Nigéria, o caos instalou-se no Norte do país. Os apoiantes de Buhari protestam desde segunda-feira contra o resultado das votações que dizem ser fraudulentas.

Kano e Kaduna são estados do norte. Os hospitais estão a aborrotar de mortos. Aqui, a fé muçulmana predomina e esse é um dos principais motes dos protestos contra a vitória de Jonathan que representa o Sul nigeriano maioritariamente cristão.

«Este ato cobarde não foi desencadeado por nenhum dos nossos apoiantes e não pode ser atribuído ao nosso partido», defende Buhari, governante militar nos anos 80. É membro  do  Congresso para a Mudança Progressiva e foi representante do Norte muçulmano nas eleições de domingo.

O risco de novas vagas de violência é iminente e impediu a ajuda de chegar aos bairros mais atingidos em Katsina, onde já oito pessoas morreram. Em Kaduna, seis nigerianos morreram carbonizados, depois de os rebeldes incendiarem casas, carros, igrejas e esquadras. A Cruz Vermelha afirma que algumas das vítimas dos confrontos foram crianças, feridas pelos tiros e facadas.

«Nenhuma ambição política vale o sangue de um nigeriano», condena Goodluck Jonathan, membro do Partido Democrático do Povo e presidente da Nigéria desde maio de 2010, quando Umaru YarAdua, então presidente, faleceu.

Segundo a CNN, 17 mil pessoas estão já em fuga dos 13 estados do norte. Porém, a situação não promete melhorar. Na próxima semana, vão decorrer eleições locais e legislativas que poderão agudizar as tensões. Aí, espera-se que Jonathan traga melhor sorte à Nigéria.

+++Este artigo foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.+++